Need For Speed – Dos Videojogos ao Filme

É inegável que este é um dos maiores, melhores e mais rentáveis franchises na história dos videojogos. A fórmula para tamanho sucesso é, apesar de básica, imensamente eficaz. E convenhamos… juntar carros exóticos com velocidades estonteantes, mulheres interessantes… ok pronto, mesmo que digitalmente falando, são jeitosas há que reconhecer, tunning, pistas alucinantes (ou as mais tresloucadas estradas), é receita para o sucesso. Também não foi preciso nenhum génio desencantá-la…porque, e estaremos todos de acordo aqui… é por demais óbvia! E 20 anos podem até parecer muito mas pessoalmente recordo-me como se fosse hoje, até porque para os jogadores há e continuará a haver a simplesneed for speed! Apesar do nome que denomina a série, foram várias as vezes que os conceitos foram alterados, umas com mais sucesso do que outras. Em 1994 foi o primeiro encontro com a série que se pretendia como uma simulação automóvel, mais ou menos possível até porque na altura não existiam grandes concorrentes à altura. A jogabilidade era rápida, os carros interessantes mas sonoramente completamente descontextualizados, apesar de já ser possível escolher de entre vários veículos. Três anos mais tarde surge a natural sequela Need For Speed II, que além de melhoramentos genéricos, como a introdução de alguns carros verdadeiramente exóticos para a época, e a criação de um modo knockout (que eliminava o último jogador a cruzar a meta), acabou por acrescentar pouco à saga.

1NFS

Um ano depois, em 1998, Need For Speed III (Hot Persuit), o jogador podia escolher a função de racer ou polícia que os capturava. Foi também este o primeiro jogo da saga a permitir o download de veículos a partir do site, o que resultou numa participação massiva dos seguidores, e a criação dos mais variados carros. Em 1999 Need For Speed Road Challenge (ou High Stakes) introduziu novos modos de jogo como Career, Time Trap, Getaway e High Stakes, e ainda danos nos carros, que a partir de compras poderiam ser reparados, o que originou pela primeira vez a possibilidade de se fazerem upgrades aos nossos bólides.

2.NFS_Road Challenge

Need For Speed: Porsche Unleashed (em 2000) é quase como um spin-off com principal destaque na marca referida. Apesar de na Playstation 1 a condução ter sido considerada demasiado arcade, para PC ficou conhecida como uma das mais realistas simulações de condução até à data. Após um interregno de dois anos, surge em 2002 Need For Speed: Hot Persuit 2 a sequela directa do seu antecessor, que volta a dar enfase à condução sob a mira da polícia, e às evasões a esta, ainda que muito do realismo existente em versões anteriores, tenha desaparecido quase na totalidade na mais recente. Também foi o último jogo para PC a recorrer ao split-screen, apostando num “protótipo” que comumente conhecemos como LAN.

3.NFS_Hot Pursuit 2

Em NFS: Underground e Underground II (2003 e 2004 respectivamente) passamos dos circuitos de pistas fechadas, para a loucura das ruas, com trânsito, sendo que foram ainda introduzidos três novos modos: Drag, Drift, Sprint e variadíssimas opções de alterações nos veículos que nos davam uma margem de manobra e criatividade não muito habituais. Underground foi igualmente o primeiro a apresentar um argumento, uma história na qual o jogador encarava uma personagem a partir de vídeos pré-renderizados. Os cenários imensamente diversificados, a jogabilidade arcade mas extremamente user-firendly, e uma vasta lista de opções de customization fazem com que sejam dois dos episódios, para mim, mais marcantes desta história, e os quais apenas pecam por terem deixado de lado a polícia, já que esta não aparece nem no primeiro nem na sequela.

4.NFS_underground 2

NFS: Most Wanted (2005) volta à acção policial, numa história que consiste em destronarmos 15 corredores. Apesar de menos opções de customização, o grande enfoque é mesmo a luta contra as forças da autoridade. Em 2006 NFS: Carbon continua a história de Most Wanted, alterando alguns modos de jogo e eliminando novamente muita da importância dada à polícia. Em NFS: Pro Street (2007) voltamos a uma vertente mais realista, com danos nos carros, que acabou por não atrair a grande parte dos jogadores. Já em 2009 NFS: Undercover volta às suas origens, com o jogador a assumir um polícia infiltrado e que conta com a voz e participação física de actores reais como Maggie Q, bem como com cutscenes de encher o olho e sequências tipicamente Hollywoodescas.

5.NFS_undercover

Em 2009 surgem NFS: Shift e Nitro. O primeiro volta a apostar nas corridas em pistas licenciadas e oficiais, com melhoramentos ao nível da condução e no qual foi reintroduzida a vista do interior do cockpit. Nitro foi o primeiro lançamento para a Wii e NDS. NFS: World é um free-to-play MMO para PC que engloba essencialmente mecânicas e cenários de jogos anteriores, em jeito de compilação. Também em 2010 ressurge NFS: Hot Persuit, uma espécie de reboot, que acabou igualmente por ser o primeiro jogo da saga a ganhar um prémio da E3 como “Best Racing Game”. Apesar de não haver customização dos veículos, volta em força a batalha contra a polícia, sempre tão desejada pelos fãs da saga.

6.NFS_hot pursuit 2010

Contudo, as pistas em circuito fechado voltam ao vir ao de cima com a sequela Shift 2: Unleashed (2011), que pouco acrescenta, e que pouca inovação apresenta, principalmente se tivermos em conta títulos em alta na altura, como GT5. Ainda no mesmo ano, em NFS: The Run é possível pela primeira vez controlarmos o personagem fora do carro, além de que as corridas passam novamente para circuitos urbanos, numa corrida contra o tempo. Posteriormente Most Wanted (2012) coloca-nos em corridas ao estilo open world, nas quais vamos podendo encontrar todos os carros já totalmente disponíveis em locais específicos. No ano passado, NFS Rivals (2013) apresentou a possibilidade de voltarmos a escolher de que lado da lei queremos estar. O jogo desenrola-se quando conseguimos completar determinados objectivos. Em ambos os casos a recepção por parte dos jogadores e críticos foi boa, já que ambos voltaram a ganhar o prémio “Best Racing Game” em 2012 e 2013 respectivamente.

8.NFS_rivals

A saga The Need For Speed é na sua história variada. No entanto, factores comuns a todos eles são; a grande diversão, manobrabilidade dos veículos, enormes e detalhados cenários, ambientes carregados de luzes e reflexos, música da pesada e mulheres bonitas (mesmo digitalmente). Talvez por isso seja relativamente fácil imaginar que Need For Speed The Movie acabe por ser um filme bastante agradável. Além de uma representação fiel ao universo do jogo (com todos os prós e contras que este acarreta bem presentes), temos um filme sobre carros, muita adrenalina, personagens estereotipadas e que carecem de caracterização, miúdas jeitosas e claro, bólides para todos os gostos e feitios, que deixam qualquer um de queixo caído só de ouvir o roncar dos motores.

10.NFSMOVIE

Aaran Paul é o homem que procura justiça após ser considerado culpado por um crime que não cometeu, e lidera um elenco multidiversificado, com alguns bons secundários; Scott Mescudi (a quem cabe as maiores e melhores saídas), Imogen Poots (a cara laroca e o interesse amoroso), Rami Malek (que protagoniza uma da melhores cenas de strip improvisada de sempre), Dominic Cooper (o vilão de serviço) e Michael Keaton (no papel do organizador de uma particular corrida onde herói e vilão se vão defrontar).

NEED FOR SPEED

Também Scott Waugh está de parabéns com a sua realização. Não só conseguiu fazer uma história verdadeiramente fiel ao jogo, como o faz sem recorrer a CGI´s ou outros subterfúgios, deixando toda a acção para a exemplar equipa de duplos que está inteiramente de parabéns. O mesmo acontece com a música, que só aparece quando assim é necessário, deixando todo o protagonismo para a verdadeira maravilha que é ouvir o trabalhar de algumas das máquinas que à nossa frente vão desfilando. Pena mesmo é o carro escolhido para protagonista, um Ford Mustang, que sinceramente já cansa, visto que actualmente aparece em tudo o que é série, filme ou outra qualquer produção americana. Ok eu percebo, o carro é bom, giro e tal, mas não exageremos! Tal como as constantes mudanças de estúdios ao longo da sua vida, também muito é dito sobre o futuro da saga, principalmente no rumo que esta deve tomar. Independentemente de tal, Need For Speed já apresenta uma vasta história. Comum aos fãs está seguramente a vontade de podermos jogar um título digno desta saga e um que consiga abraçar tudo o que de bom se fez ao longo dos anos. Se for tão honesta e próximo quanto o filme, estaremos com toda a certeza no bom caminho. E aí sim… a única coisa que verdadeiramente interessa, é esta tão nossa… NEED FOR SPEED!

Autor: Andre Santos Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário