Dreamcast Fishing Rod (Na Órbita)

É de conhecimento geral o facto de que os anos 90 foram ricos em muitos aspectos, tanto bons como maus, do mais foleiro ao mais incrível, mas, em qualquer um dos casos, sempre com dois factores presentes em alta: a “insanidade” e a criatividade. O mundo dos videojogos não foi excepção e, dentro dele, o nicho dos acessórios e periféricos muito menos.
O acessório que vos trago a este Na Órbita é um exemplo quase perfeito do que acabei de referir, provocando um misto de sentimentos, que podem passar pela surpresa, a incredulidade, a desconfiança até à curiosidade.

A Dreamcast Fishing Rod é um acessório que não esconde ao que vem, já que o seu nome é completamente revelador: trata-se, precisa e simplesmente, de uma cana de pesca. Existem mais dois modelos com nomes diferentes, a Fission, fabricada pela Interact, e a Rumble Rod, da infame Mad Catz; no entanto, para este artigo, usarei como objecto de análise o modelo oficial, desenvolvido numa parceria já habitual entre a SEGA e a Ascii.

Esta cana de pesca virtual foi desenvolvida para acompanhar um jogo da SEGA que pretendia emular uma experiência já existente nas arcades, SEGA Bass Fishing. Tal como eu o fiz há muitos anos, quando descobri isto, também vocês podem colocar a questão “Quão popular tem de ser este jogo para que justifique, não só uma máquina dedicada nos salões de jogos, mas, também, um port para uma consola caseira com direito a acessório dedicado?!”. A resposta é simples: muito. Para nós, ocidentais, pode parecer estranho, contudo sabemos bem que o público Japonês fascina-se muito facilmente com jogos arcade, que possuam uma mecânica ou um acessório que seja preciso utilizar, diferente de um simples comando ou arcade stick (vejam o exemplo gritante da Wii, que tem jogos muito básicos, mas com um apelo enorme devido à interactividade que oferecem). Portanto, se tivermos isso em conta, deixa de ser estranho que jogos, como Dance Dance Revolution, Taiko no Tatsujin (https://www.youtube.com/watch?v=kwsRTeCPaG0) ou SEGA Bass Fishing sejam grandes sucessos.

Falando especificamente do acessório, o seu design não é nada arrojado, estando muito próximo de uma cana de pesca real. Digo isto em forma de elogio, no sentido de que é de louvar o facto de os designers responsáveis por este produto não terem inventado muito e terem mantido praticamente intacta a estrutura base do “punho”, tirando obviamente a parte da cana, da linha e do anzol, que não são necessários para pescas virtuais.

Ao agarrarmos na pega com a mão esquerda, de forma rápida e fácil temos ao alcance do nosso polegar um pequeno joystick, com o qual controlamos as direcções, bem como os botões tradicionais (A, B, X, Y e Start). Na parte traseira, não existem os triggers que os comandos normais da Dreamcast possuem, talvez por não serem necessários neste caso. Em vez disso, há apenas uma pequena saliência, semelhante a um gatilho sólido e imóvel, que serve de apoio ao dedo indicador, oferecendo um ponto de “ancoragem” natural para melhor estabilidade. Na parte lateral direita, temos uma pega giratória, que funciona como um carreto da cana de pesca, que devemos utilizar com a mão direita (facto que, infelizmente, vai trazer grandes dificuldades no seu uso, para quem for canhoto).

Além destas características nucleares, a Fishing Rod possui ainda um sensor de movimentos básico, o qual permite detectar quando ela é movimentada e traduzir isso em acções, bem como um sistema de vibração, que sinaliza, por exemplo, quando um peixe é apanhado pelo “anzol”. No entanto, não está incluído o slot para o VMU, habitual nos comandos e outros acessórios, pelo que, se quisermos fazer uso dele para gravar o progresso no jogo, temos de ligar também um comando.

Uma das curiosidades mais engraçadas, está na lista de títulos que tiram partido deste acessório, pois, apesar de serem muito poucos e, dentro desses, uma mão cheia são jogos de pesca, há duas surpresas interessantes: Virtua Tennis e SoulCalibur! É verdade, dois dos maiores sucessos da Dreamcast (e das arcades SEGA da época também), que não têm nada a ver com pesca, são passíveis de serem jogados com esta cana.

Teoricamente, todos os jogos podem ser jogados com ela, no entanto, não é disso que estou a falar; refiro-me antes ao facto de também esses dois títulos utilizarem as suas funcionalidades únicas. No caso de Virtua Tennis, a cana de pesca pode ser usada como se de uma raquete se tratasse, com o sensor de movimentos a entrar em cena; em SoulCalibur, a Fishing Rod transforma-se na nossa arma, apesar de estar sujeita a algum treino de habituação.

Apesar de ser mais uma curiosidade do que uma necessidade, a Dreamcast Fishing Rod acaba por ser um objecto engraçado para qualquer coleccionador desta plataforma, precisamente por ser algo de nicho e que tem poucas aplicações, mas, ao mesmo tempo, ter sido uma aposta da SEGA, ao ponto de fabricarem um modelo oficial.

Podem encontrar este acessório vendido em separado ou num bundle com o SEGA Bass Fishing, estando este último disponível apenas em territórios PAL.

Autor: Miguel Coelho Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário