Atari XEGS – A consola esquecida da Atari!

Sem precisar de apresentações no mundo dos videojogos, a Atari é um ícone de peso, responsável pela sua popularização na década de 70, tendo trazido para o mercado várias consolas e jogos que ainda hoje são vistos como clássicos e que continuam a ter bastante procura por parte de coleccionadores da comunidade do retrogaming, desde as clássicas – Atari 2600, 5200, 7800 –, passando também por uma vasta gama de computadores de 8 e 16-bit nas décadas de 80 e 90. Mesmo para quem não estava por cá nessa altura, ou para aqueles que não cresceram com uma Atari, os jogos e os diferentes hardwares da marca são facilmente reconhecíveis.

Mas quem se lembra, ou já ouviu falar, da Atari XEGS?

Recuemos um pouco para perceber a razão da existência deste sistema. Enquanto na década de 80 a linha de computadores de 8-bit da Atari – Atari 8-bit family – mostrava um sucesso considerável, no que toca a consolas de casa, a mítica marca estava a ficar para trás. Após o fracasso comercial da Atari 5200, em Junho de 1986 é lançada a sucessora Atari 7800, altura em que o mercado estava fortemente dominado pela rival Nintendo Entertainment System (NES). Numa tentativa um tanto ousada de recuperar parte do mercado das home consoles, a Atari lança para o mercado a Atari XEGS, em 1987.

Com um sistema híbrido, a XEGS marcava a diferença por poder funcionar tanto como computador ou consola. No fundo, não era mais do que um computador Atari XE com uma nova roupagem, no entanto, não deixava de apresentar algumas ideias originais para o mercado da época. O sistema, por si só, funciona como uma consola de jogos, tendo o conhecido Missile Comand já instalado, o que era algo muito pouco comum para a altura. Todavia, ao conectar o teclado, que acompanhava a consola, esta pode ser totalmente utilizada como um computador, recorrendo a linguagem de programação Atari BASIC.

 

A acompanhar o sistema e o teclado, vinham também uma light gun para jogos de tiro e um joystick clássico da Atari, semelhante ao da 2600, neste caso cinzento claro, para condizer com a cor da XEGS. Um dos factores mais apelativos da XEGS foi a sua compatibilidade com o resto da Atari 8-bit family, incluindo hardware e software de versões anteriores de computadores de 8-bit da Atari. Periféricos como leitor de disquetes, leitor de cassetes ou impressoras eram compatíveis, assim como os cartuchos de computadores 8-bit da Atari, o que abria a biblioteca da XEGS para uma vasta selecção de jogos, se bem que, na altura, estivessem bastante ultrapassados por títulos mais recentes.

Embora o conceito e funcionalidades apresentadas demonstrassem iniciativa e alguma originalidade, a história já nos provou ao longo dos anos que uma boa biblioteca de jogos é que vende um sistema, e essa foi uma das razões que levou esta consola a fracassar. Foram lançados apenas 32 títulos para a XEGS, sendo, praticamente todos, versões melhoradas de antigos jogos lançados para consolas e anteriores computadores Atari, com melhorias nos gráficos e qualidade de som. Entre eles, os clássicos Archon: The Light and Dark, Desert Falcon, Blue Max, assim como versões bastante próximas dos originais das arcades de Donkey Kong e Mario Bros.

No que toca a aspecto e marketing, a XEGS tem um visual bastante peculiar. Este poderia ser considerado futurista na altura, com várias linhas e texturas, botões de menu em tons de pastel, com duas ligações na lateral direita para comandos e uma na lateral esquerda para o teclado, que se encontram num ângulo que dificulta ligeiramente a sua conexão. Na parte de trás, temos várias entradas para periféricos, saída de monitor e RGB, de maneira a poder ser utilizada em televisões.

A XEGS não teve um mau lançamento, vendendo mais de 100 mil unidades no Natal de 1987, se bem que toda a campanha, e mesmo a sua existência, tivesse sido uma iniciativa um tanto estranha, tendo em conta que a Atari estava a lançar para o mercado, não só uma nova consola para competir com outras marcas suas rivais, mas também a competir com produtos da sua própria empresa, tendo em conta que os modelos 7800 e a 2600 ainda estavam no mercado, para não falar da sua restante linha de computadores ainda no activo. Com muito poucas vendas depois do seu ano de lançamento, a Atari XEGS caiu no esquecimento, tendo sido descontinuada em 1992.

Actualmente, vale a pena olharmos para trás e desenterrar a Atari XEGS?

Devo confessar que sou suspeito nesta matéria, pois como coleccionador de retrogaming, raridades como esta despertam a minha curiosidade, no entanto, aconselho todos os curiosos pela velha guarda a darem uma vista de olhos na XEGSSeja um gamer, um programador ou apenas um curioso, a sua originalidade e a sua vasta biblioteca, derivada da sua compatibilidade, fazem da Atari XEGS um sistema a ter em conta e um pedaço esquecido da história dos videojogos que deve ser preservado.

Autor: João Mateus Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário