PEGI – Classificação de videojogos em Portugal

O IGAC – Inspecção Geral das Actividades Culturais é a uma organização do Ministério da Cultura Português que tem a cargo a classificação dos videojogos, filmes e media lançados no mercado Português. O IGAC no que toca a videojogos, adoptou o sistema europeu PEGI – (Pan European Game Information) fundado em 2003 e desenvolvido pela ISFE – (Interactive Software Federation of Europe) usado em mais de trinta países (alguns fora da Europa).

O intuito do PEGI foi criar uma escala com intervalos de idades para classificação do conteúdo de um videojogo. Esta escala reflecte a idade mínima que o consumidor deverá ter e não reflecte o grau de dificuldade. A classificação não é obrigatória cabendo a cada editora a decisão do seu uso ou não. As que usam o PEGI, poderá ser visto o selo correspondente na embalagem do produto.

Em Portugal o IGAC alterou ligeiramente a escala do PEGI para ir de encontro com a legislação existente. Os patamares de 3 e 7 anos deram origem a 6 e 7 anos respectivamente, ficando assim em sintonia com a classificação do cinema. Temos então os intervalos organizados da seguinte maneira:

 

Portugal Europa Descrição
PEGI-4 PEGI-3 Adequado para idades iguais ou superiores a 4. Poderá conter violência muito ligeira em contexto apropriada para crianças mas não é permitida linguagem explícita
PEGI-6 PEGI-7 Adequado para idades iguais ou superiores a 6. Poderá conter violência em banda desenhada, desporto ou elementos que assustem a criança
PEGI-12 PEGI-12 Adequado para idades iguais ou superiores a 12. Poderá conter violência em contexto de fantasia, ligeiro contexto sexual ou referências a jogos monetários
PEGI-16 PEGI-16 Adequado para idades iguais ou superiores a 16. Poderá conter violência explícita, linguagem forte, referências sexuais, jogos monetários e uso de drogas
PEGI-18 PEGI-18 Adequado para idades iguais ou superiores a 18. Poderá conter violência gráfica incluindo pessoas indefesas, mortes com motivação, forte conteúdo sexual, uso de drogas e descriminação

 

Descrição de conteúdos (escala de Portugal)

 

Simbolo Tema Descrição Idades
PEGI_Violence.svg Violência Contém cenas com pessoas a serem magoadas ou a morrer, com ou sem uso de armas. Pode conter derramamento de sangue PEGI-6PEGI-12 PEGI-16 PEGI-18
PEGI_Profanity.svg Linguagem Contém cenas com linguagem agressiva, com ameaças ou insinuações verbais de cariz sexual PEGI-12 PEGI-16 PEGI-18
PEGIi_Fear.svg Medo/horror Contém cenas que podem ser consideradas perturbadoras e assustadoras PEGI-6 PEGI-12
PEGI_Nudity_n.svg Sexo Contém referências ou comportamentos sexuais sejam com nudez explícita ou vestuário inapropriado PEGI-12 PEGI-16 PEGI-18
PEGI_drugs.svg Drogas Contém cenas relacionadas com consumo ou venda de drogas, drogas ilegais ou substâncias fictícias que possam estar ligadas a drogas reais PEGI-16 PEGI-18
PEGI_gambling.svg Jogo Contém cenas com jogo a dinheiro ou práticas que levam ao encorajamento da prática de jogo PEGI-12 PEGI-16 PEGI-18
PEGI_discrimination.svg Discriminação Contém cenas com referências a discriminação de raças, etnias ou orientação sexual PEGI-18
PEGI-Online_n.svg Online Contém um modo de jogo online PEGI-4 PEGI-6 PEGI-12 PEGI-16 PEGI-18

 

Na escolha do videojogo:

– Quando escolher um videojogo para uma criança recomendamos o uso da tabela PEGI (se aplicável), bem como uma pesquisa pelos meios disponíveis, seja uma publicação da especialidade ou uma visita por exemplo ao Youtube para um visionamento do estilo e conteúdo do título em causa.

 

Cuidados a ter em conta:

– O tempo de jogo deve ser monitorizado pelos pais, devem ser evitadas horas excessivas em frente a uma televisão ou computador.

– Muitos jogos permitem mais que um jogador. A interacção entre um adulto e uma criança num videojogo pode ser tão ou mais estimulante que qualquer outra brincadeira entre pais e filhos.

– O videojogo não deverá ocupar a totalidade do tempo livre da criança, os pais devem proporcional um equilíbrio entre as diversas actividades essenciais à criança.

 

De notar ainda que uma correcta leitura da tabela PEGI não leva a um sucesso quanto ao gosto da criança pelo videojogo em causa. Um videojogo será como um filme, tem títulos bons e maus, alguns puxam mais pela cabeça, outros menos.

 

Que género de jogo devo oferecer a uma criança?

Até aos 6 anos de idade as cores e formas são importantes para atrair a atenção da criança. Os objectos no ecrã devem ter um bom tamanho e a interacção deve ser simples. Jogos complicados levam ao desinteresse rápido dos mais pequenos. O grau de dificuldade deve ir subindo progressivamente. Os controlos do jogo devem ser simples para um início de coordenação motora entre mãos, olhos e cérebro. A memória visual e auditiva pode ser estimulada por exemplo, com a identificação de formas ou de sons de animais e/ou objectos.

Até aos 12 anos a interacção deverá ser já mais complexa, com mais quantidade de objectos no ecrã para controlar.  Os controlos devem exigir mais da criança seja em rapidez de movimento bem como na complexidade. Os jogos não deveram conter apenas grafismo e som, é importante ter texto para obrigar a criança a ler para se enquadrar num contexto/história. O jogo deverá conter uma escolha de grau de dificuldade, para poder repetir desafios cada vez mais difíceis.

Para mais de 12 anos os jogos, desde que enquadrados na classificação PEGI, devem conter uma doze equilibrada entre texto, gráficos e som. É importante a criança/adolescente saber separar a ficção da realidade.

 

Para mais informações consultar:

PEGI (Pan European Game Information)

IGAC (Inspecção Geral das Actividades Culturais)