Bad Piggies

7
Longevidade : 8/10
Jogabilidade : 8/10
Gráficos : 7/10
Som : 6/10

Componente criativa bastante bem desenvolvida | Conceito original

A corda de segurança de Angry Birds

O spin-off de Angry Birds que nos mostra o lado mais engenhoso e criativo de porcos que, pelos vistos, são experts no desenvolvimento aeronáutico.

Já lá vão uns tempos desde que a quase falida Rovio descobriu o passeio amarelo e lançou Angry Birds para o mundo. Sete títulos mais tarde (destes, apenas Amazing Alex não fazia parte do universo dos pássaros enraivecidos) e mesmo depois de ter reconhecimento internacional, a empresa parece ainda não ter acertado com a dose de coragem que precisa para deixar de ser vista como uma one-hit wonder.

Os inimigos que já tantas vezes esmagámos e rebentámos em Angry Birds são agora as nossas personagens principais e aqueles que tentamos criativamente ajudar em Bad Piggies. Para os amantes dos pássaros, não será difícil entender a pobre narrativa que uma vez começada, merecia ser espremida mais um pouco. Para aqueles que andaram mais desatentos nos últimos tempos, este será apenas um jogo de porcos enfiados em caixotes voadores. O objectivo é o óbvio, conseguir chegar aos ovos dos ainda pouco enraivecidos pássaros. Para isto teremos de usar os materiais disponíveis e uma grande dose de imaginação e criatividade.

Começamos com apenas dois caixotes, dois pares de rodas e um porco mas à medida que o jogo avança conseguimos material suficiente para criar as mais disparatadas máquinas voadoras. Se há algo de realmente fantástico no jogo é o facto de este não nos forçar um caminho ou uma fórmula de sucesso para os puzzles. Nós, mesmo que muitas das vezes da forma mais estranha, teremos de descobrir uma maneira de fazer chegar o porco aos seus desejados ovos.

A física do jogo é de facto de louvar e os puzzles (mesmo que pouco inspiradamente criados) estão equilibrados ao ponto de criar desafio sem nos deixar muito tempo presos no mesmo nível. Mesmo com a vertente criativa do jogo, que nos desvia um pouco as atenções para aspectos do gameplay menos bem conseguidos, os mais atentos conseguirão perceber que as dificuldades não estão no level design mas sim na maneira como utilizamos os materiais e construímos a nossa máquina. Uma vez conseguida a máquina perfeita, parece que na maior parte dos casos o level design nem nos trará muitos obstáculos.

Os gráficos do jogo são, como seria de esperar, bem similares ao que a Rovio nos tem habituado. Bastante estilizados e com um ar de cartoon. Pode até ser uma sequela mas a verdade é depois de todo este tempo a coerência visual da empresa (também conhecida por alguns como “zona de conforto”) começa a ser um pouco desinspirada. Há contudo pormenores engraçados na maneira como os porcos se comportam durante o jogo, reagindo às espetaculares experiências que fazemos em nome das ciências aeronáuticas. Podemos dizer que estão maus? Não, de maneira alguma. Foi precisamente este tão bem conseguido estilo que arrastou milhares de desenvolvedores mobile para o caminho da glória e que foi tanta vez copiado. Precisamente por isto é que se espera mais de quem já deu tanto.

Talvez Bad Piggies esteja a pagar imerecidamente pela falta de coragem dos seus criadores. A verdade é que depois do passo que foi Amazing Alex, a expectativa era de que o “tal” novo jogo fosse de facto inovador ao ponto de nos relembrar o mérito que a empresa teve em revolucionar o mercado. O reconhecimento internacional traz lucro, mas também tem a particularidade de, com o devido tempo, afastar aqueles que não conseguem reinventar-se e adaptar-se a uma indústria em constante movimento. Talvez Bad Piggies ainda tenha sido uma jogada certeira em termos de mercado, mas a tendência pode virar a qualquer momento. Uma empresa deste calibre dita o passo seguinte, e não se limita a calcar as pegadas que deixou para trás com precaução e prudência.

No final de tudo isto já é seguro dizer que este é de facto um título de qualidade. Apesar de tudo, o gameplay é realmente inovador e diferente, e (cintos de segurança à parte) o sucesso do jogo não é de espantar. O preço é convidativo para as horas de jogo que conseguimos ter a jogá-lo, e o facto de o resultado depender em grande parte da maneira como construímos as máquinas tornam este jogo passível de ser repetido até que a alma nos doa.

É claramente um título destinado aos jogadores mais casuais e promete desviar a atenção de toda a família para o ecrã, desde os mais inventivos miúdos aos mais refinados papás, com diversão garantida. Vamos só esperar que Bad Piggies marque o final de remakes, spinoffs e crossovers, e que um novo caminho possa surgir para a Rovio.

Autor: Diogo Martins Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário