Cut the Rope

10
Longevidade : 10/10
Jogabilidade : 10/10
Gráficos : 10/10
Som : 10/10

Em verdadeiro jogo, simples mas que faz puxar pela cabeça

Ema ou outra vez arrasta-se a corda em vez de a cortar

Desenvolvido pela ZeptoLab este é um simples jogo que faz praticamente tudo certo. É um puzzle game de excelência que faz um óptimo uso das tecnologias touch screen. Lançado inicialmente para iPhone e iPad (e posteriormente para Android, Nintendo 3DS e até disponível numa versão gratuita de browser) rapidamente ganhou o estatuto de um dos melhores jogos lançados para os novos dispositivos móveis.

A premissa é, tal como deve ser, simples. Alguém deixou à porta de nossa casa uma pequena criatura chamada Om Nom, uma espécie de monstrinho verde com um apetite voraz por doces. O nosso objectivo é alimentá-lo e as instruções de como o fazer, ou seja, de como jogar, estão presentes no nome do jogo “Cut the rope”. Os doces estão presos em cordas que devem ser estrategicamente cortadas e manipuladas de forma a transportar o doce directamente para a boca de Om Nom. Essa tarefa não é demasiadamente complicada a maior parte das vezes pelo que até uma criança de 3 anos percebe e conseguirá passar alguns níveis. A dificuldade surge quando se tenta obter a pontuação mais elevada que deriva de, além de comer o doce, apanhar três estrelas estrategicamente colocadas para nos atrapalhar a vida.

A jogabilidade baseia-se em deslizar rapidamente o nosso dedo pelo ecrã como se fosse uma faca e cortar uma das cordas de sustentação do doce que, na maioria das vezes, irá levar a que ele balance para outra corda e, numa mistura de perícia e domínio das leis da física, permitirá engordar o nosso estranho animal de estimação. O jogo sabe manter-se fresco dividindo estes pequenos puzzles em mundos, ou melhor, caixas, sendo que cada uma delas introduz uma nova mecânica. Temos uma caixa em que chapéus de mágico são utilizados como portais que transportam o doce de um local para outro, enquanto que noutras são apresentadas pistolas que disparam bolas de sabão, cordas elásticas, roldanas e por aí adiante. No Dia dos Namorados surgiu até uma nova caixa temática em que o doce encontra-se partido em dois, como um coração despedaçado, e temos que juntar as duas peças antes de as atirar para a boca de Om Nom.

A música repetitiva mas bem disposta embala-nos enquanto usamos os nossos dedos como lâminas na tarefa altruísta de alimentar um bicharoco verde. Os controlos do jogo são extremamente intuitivos e funcionam quase sempre bem (a não ser que se tenha dedos muito sapudos) utilizando-se por vezes, e de forma brilhante, as capacidades multi touch screen para, por exemplo, cortar uma corda ao mesmo tempo que se roda uma roldana para conseguir um timing perfeito de execução desta intrincada manobra de alimentação.

Recomendado mesmo para toda a gente, este jogo é inocente, divertido e tem mesmo que ser jogado (mas atenção que é incrivelmente viciante).

Autor: Joao Sousa Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário