Go Vacation

A Nintendo Surpreende de Novo!

Abrimos o jogo com alguma expectativa, primeiro, porque gostamos sempre de jogos novos, depois, porque os bonecos além de muito apetitosos, prometem uma primeira fase de construção de personagens que, cá em casa, é sempre motivo de discussão animada. Sendo uma família com uma criança de oito anos e uma adolescente de quinze, raramente os jogos são “para todos” e quando são, não convencem.

Quando fazemos viagens, a Switch é atestada como o depósito do carro e desta vez não foi excepção. A viagem entre a Quarteira e Huelva fez-se com os gritos da mais nova, acompanhados de movimentos amplos – tinha descoberto que podia fazer todas as personagens e ainda ganhámos um cão. À entrada de Huelva, um cartaz anunciava a Switch, que em Espanha se parece chamar Sobremesa… que adequado!!!

Partilhada a emoção entre as irmãs de construir uma família inteira, avós, primos, amigos mais chegados, eis que começamos a jogar. Todos. Porque à vez fomos chamados a validar o trabalho feito pela mais nova com os nossos MIs.

Quer nós, que somos atentos às marcas e à evolução dos jogos, quer as miúdas que não ligam nenhuma a essas coisas, percebemos que este era um fabuloso upgrade do Sports Resort, onde todos competimos. O meu alarme materno rapidamente se preparou para a desilusão da mais nova, que era sempre vencida em todos os desportos, por toda a gente, família alargada incluída. Mas desta vez, não!!! A mais nova conseguia jogar, sem competições presentes, sem estar sempre a ser comparada com os outros jogadores e quando em competição directa (porque o jogo permite que dois jogadores participem da mesma corrida), basta não ficar em último para ser uma festa.

A Nintendo sempre deu cartas nos jogos familiares, sendo que cá em casa sempre adorámos cada uma das personagens, cada um dos ambientes, cada uma das aventuras partilhadas. No entanto, desta vez fomos surpreendidos – porque conseguiram cativar pais, adolescentes e crianças. Os desenhos são brutais e o jogo responde aos diferentes perfis de jogador de forma completa – podemos só explorar, competir, jogar com outros jogadores, coleccionar medalhas, apreciar paisagens e detalhes incríveis e com a facilidade instintiva de manuseamento da Switch.

Se somos fãs? Somos. Poucos são os títulos que permitem momentos em família, privilegiando a partilha em detrimento da competição, encontrando mimos para todos os tipos de jogador. Não sendo o tipo de entretenimento que não conseguimos largar, que precisa só de mais uns minutos, que atrasa a ida para a cama ou para a mesa, é o jogo “sobremesa” que diverte, que junta, que faz momentos partilhados.

Não resisto à nota, em resposta aos tantos detractores do universo gamer – se querem “julgar” os videojogos como actividade, olhem para exemplos deste tipo: sem violência, sem terror, promotores do trabalho em equipa e da comunicação em família. Como mãe, fica a esperança de que mais sigam este caminho e mais estradas de partilha, comunicação e diversão se abram no futuro dos nossos filhos. Obrigada Nintendo 😊 !

 

up
Veredicto
Um jogo sem violência, sem terror, promotores do trabalho em equipa e da comunicação em família.
Plataforma
Nintendo Switch
Produtora
Bandai NAMCO Entertainment
Autor: Ana Mota Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário