Pigs in Space

6
Longevidade : 6/10
Jogabilidade : 6/10
Gráficos : 6/10
Som : 6/10

Porcos e bacon!

Não ter música durante o jogo | Alguns problemas na jogabilidade

É certo que o mercado dos smartphones tem vindo a ganhar cada vez mais força no seio da comunidade gamer. Sejam jogos casuais, conversões de jogos clássicos, jogos mais avançados ou simplesmente rip-offs de outros jogos conhecidos, a verdade é que esta abertura do mercado às “apps”, deu muita força no seio da comunidade de desenvolvedores independentes, com imensos pequenos jogos a serem desenvolvidos por uma ou duas pessoas. Este Pigs in Space é um jogo desenvolvido pelo pequeno estúdio Gato Pinco, que conta já com diversos pequenos jogos disponíveis para download na loja Google Play, entre os quais o Towers, que apresenta uma jogabilidade idêntica.

E o que consiste então este jogo? Eu diria que é um jogo que foi buscar influências a outros puzzle games como Bejeweled ou Puyo-Puyo, mas ao invés de manipularmos pedras preciosas ou… puyos, controlamos… porcos, acertaram! Cada nível começa com uma série de porcos de diferentes cores ou poses espalhados numa matriz.

Com o tempo vão caindo novos porcos em cima dos que já estão em jogo, e como devem imaginar, perde-se uma vida quando algum porco chega a tocar na parte superior do ecrã. Para que isso não aconteça, podemos manipular os porcos 2 a 2, trocando-os de posição entre si, tanto horizontalmente, como verticalmente. Sempre que consigamos formar uma (ou múltiplas) linhas horizontais ou verticais de 3 ou mais porcos idênticos, os mesmos desaparecem, com os porcos acima a preencher os espaços que ficaram livres.

Avançamos de nível ao atingirmos uma determinada pontuação (do primeiro nível para o segundo temos de fazer 100 pontos, do segundo para o terceiro são 200), com a dificuldade a aumentar progressivamente ao serem introduzidos novos porcos da mesma cor, mas cujo desenho é ligeiramente diferente.

Existem também diversos blocos especiais, que tanto podem ajudar no progresso do jogo como atrapalhar. Infelizmente Pigs in Space não é um jogo com uma jogabilidade perfeita. Um dos problemas que encontrei é que por vezes eram formadas naturalmente linhas de 3 ou mais porcos idênticos com os porcos que caem, sendo que as mesmas não desapareciam automaticamente, como em diversos outros jogos semelhantes.

Aqui temos de trocar a posição de um desses porquinhos e voltar a colocá-lo no sítio para que o jogo detecte a tal linha que já tinha sido formada. Outra coisa que na minha opinião atrapalhou um pouco a jogabilidade é o facto de não podermos trocar um porquinho e um espaço vazio. Por vezes conseguimos eliminar uma coluna por completo, ficando 2 áreas do jogo completamente separadas até que um outro porquinho caia por lá. Isto, aliado ao ritmo relativamente rápido que o jogo vai colocando novos porquinhos em acção, torna-o bastante desafiante para quem gosta deste tipo de jogos, exigindo mesmo reflexos e pensamento rápido por parte do jogador.

A parte do audiovisual infelizmente poderia estar melhor trabalhada. Apenas existe música no menu inicial, com o jogo em si a apresentar os mesmos efeitos sonoros vezes sem conta. A arte dos porquinhos (e respectivos ecrãs de fundo) faz de certa forma lembrar desenhos infantis que, apesar de achar ter sido esse o objectivo do criador, não é algo que me agrade propriamente.

O jogo está disponível na Google Play em duas diferentes versões: a gratuita e a versão paga com um custo de 0.50€. Seguindo o autor, o que difere nas 2 versões é a não inclusão de publicidade na versão paga, bem como vários outros níveis adicionais. Como conclusão, apesar de existirem outros jogos semelhantes com uma melhor jogabilidade e visualmente mais agradáveis, não deixa de ser um jogo engraçado para se jogar casualmente.

O estúdio Gato Pinco apresenta também vários outros jogos disponíveis para download, muitos deles sendo puzzle games com algumas semelhanças a este, mas também dispõe de outros jogos como Chicken Soccer Extreme ou Crynaldo (qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência). Visto todos os jogos terem uma vertente gratuita, recomendaria a todos os leitores que dispensassem algum tempo para lhes dar uma olhada. Os videojogos portugueses agradecem.

Autor: Ivo Leitao Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário