Runes

“A PUSHSTART voltou? Então, mas… Não tinha acabado?”

Vamos por partes e responder primeiro às vossas questões que provavelmente vos pairam na cabeça, e ao mesmo tempo encarar este texto com alguma precaução. Em primeiro lugar, porque nem tudo mudou quanto às razões que levaram o nosso projeto a parar, em segundo, porque não queremos estar a colocar uma espécie de compromisso a longo termo em cima dos ombros. Mas fiquem descansados, não faria este texto se não estivesse confiante de que não ficará só por aqui 😉. Já que ainda temos o espaço aberto, e a vontade continua cá, porque não? Esperamos também nós, que os nossos antigos leitores, e novos curiosos, se possam identificar com este regresso.

Vamos ao que importa, e ao que realmente me trouxe de volta ao nosso cantinho. Houve algo que nunca parei de fazer, mesmo com o afastamento e as obrigatoriedades, que foi, não só continuar a jogar e descobrir títulos que nunca tinha jogado, como manter a procura pelos novos lançamentos para consolas antigas, sendo que os últimos anos têm sido bastantes generosos nesse campo, principalmente nas consolas a 8 e 16-bit, onde gosto de focar a minha atenção.

É precisamente um desses jogos que me trouxe de volta à escrita e à vontade de partilhar o meu entusiasmo, tal foi a explosão de diversão que tive com ele. Runes é um jogo de 2020, desenhado para correr na Mega Drive, tendo o icónico Columns como principal inspiração. A grelha de jogo é diferente da presente no jogo clássico, 7×12 em vez de 6×13, sendo que desta maneira conseguimos ter mais largura horizontal, concedendo também mais algum espaço de “arrumação” para aquelas peças chatas que nunca encaixam em lado nenhum. De resto, as mecânicas conhecidas como “match-3” aplicam-se, como é habitual, para aumentar a pontuação do jogador.

Além do modo clássico que dispensa apresentações ou explicações, Runes introduz um modo aventura onde temos acesso a um mapa mundo com várias localizações (níveis) que vão sendo desbloqueadas ao longo do jogo, sempre que concluídos os objetivos que nos são dados. Estes objetivos vão alterando de nível para nível, quebrando um pouco a monotonia que poderia causar jogar sempre com o mesmo. Temos, assim, níveis com a finalidade de fazer uma certa pontuação com o tempo que nos é dado, idêntico ao jogo clássico, outros com o objetivo de eliminar peças que piscam no ecrã – à semelhança do que foi introduzido no Columns II, níveis onde temos de eliminar um certo número de pedras ou cores, e ainda, níveis onde temos que fazer com que maças douradas caiam pelo fundo da grelha. O jogo começa a ficar complicado quando os objetivos se misturam, havendo até a existência de níveis onde os quatro estão presentes e são obrigatórios para a conclusão da fase: atingir uma certa pontuação, eliminar as pedras que estão a piscar, eliminar um certo número de pedras (cores) e fazer com que as maças douradas caiam pelo fundo da grelha!

Outra mecânica, e desta vez aproveitada (e melhorada), presente no Columns III, é a existência de um inventário, com objetos que ganhamos no fim de cada nível e que nos conferem diferentes tipos de atributos. Estes preciosos artefactos podem mesmo ser usados dentro da grelha de jogo, para, por exemplo, nos safar de uma morte certa e adicionar tempo ao relógio, ou reorganizar todas as peças, que consequentemente acabam por formar trios e desaparecer. Este foi o modo de jogo onde consumi mais tempo, graças não só às variadas mecânicas apresentadas, mas também ao crescendo agradável de dificuldade, que não nos deixam largar o comando sem vermos o que acontece a seguir.

Runes foi produzido por Cannibal Cat Software e tem distribuição livre, sendo que podem também descarregar o jogo através do seguinte link. O jogo funciona não só num emulador convencional, como também num Everdrive ou flashcart convencional.

up
Veredicto
Não é só mais um clone de Columns, mas um que  implementa novas e antigas mecânicas que tornam o modo aventura viciante!
Plataforma
Mega Drive
Produtora
Cannibal Cat Software
Autor: Victor Moreira Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário