The Shoot

8
Longevidade : 5/10
Jogabilidade : 9/10
Gráficos : 7/10
Som : 8/10

Sendo um jogador de longa data, sempre tive um carinho especial pelos shooters das arcadas, que me proporcionaram muitas horas de jogo, e muita diversão, especialmente quando jogados em modo cooperativo. De facto este tipo de jogos foi dos poucos em que até as minhas amigas não prescindiam, não pelo conteúdo do jogo em si, mas pela experiência e convívio que eles providenciam.

Com o aparecimento do Playstation Move, cedo procurei títulos do género, e enquanto se ouvia falar muito em Resident Evil e no Killzone que na altura ainda não estava disponível, faltava algo simples e com espírito arcade, que fosse acessível e apelativo a todos, visto que até o Time Crisis já não preenche esses requisitos.

Para minha surpresa (e depois de inúmeras decepções), enquanto experimentava os demos incluídos no starter pack, dei de caras com The Shoot, e foi nessa altura que o Move me começou a parecer divertido.

Em The Shoot encarnamos um actor que têm que manter os níveis de acção sempre em alta no set de filmagens, para não desagradar o director e ir parar ao fundo de desemprego… por isso afinem a vossa pontaria, aprimorem os vossos reflexos e mantenham os níveis de concentração ao rubro, pois o rumo para o estrelato está ao vosso alcance.

Como na vida real, fazendo o papel de um actor implica encarnar diversos papéis em diversos filmes, e desta forma  o jogo consegue apresentar uma boa variedade de cenários e ambientes para agradar a todos os gostos, mitigando um pouco o factor de repetitividade sempre associado a este estilo de jogo. Existem disponíveis cinco cenários diferentes, um western (Outlawed), um futurístico (Robotomus Crime), um de gangsters (The Mob), um debaixo de água (Deep Perils) e por fim, um para os fãs do terror (Haunted House Party).

O jogo em termos de gráficos é minimalista, e até mesmo pouco polido, mas é parte do seu encanto, pois consegue-nos emergir totalmente num mundo arcade, especialmente o facto dos inimigos serem apenas cutouts, o que também contribui bastante para a temática global do jogo.

Visto este ser um título para uma das novas gerações dos controlos de movimentos, é sempre importante saber se os controlos são precisos e responsivos, e de facto estes apresentam-se bastante sólidos… pelo que não contem com a popular desculpa do ah e tal foi o comando.

Em termos de jogabilidade e diversão, este jogo também se apresenta de forma irrepreensível, contendo todos os elementos que tornam estes shooters apelativos, como tiros de precisão, multidões de inimigos a ocupar a totalidade do ecrã, adversários tão rápidos que um simples pestanejar significa perdê-lo de vista… e o sempre popular quick-draw, para satisfazer o cowboy dentro de cada um de nós. Em adição a tudo o que já foi referido contem também com muito exercício físico, pois o desviar e agachar ao longo dos diversos sets torna-se cansativo, mas é uma forma bastante divertida de nos mantermos saudáveis. O jogo oferece três tipos de ataques especiais, que se desbloqueiam à medida que vamos eliminando alvos sequencialmente sem falhas, o  Showtime – que é activado rodopiando o nosso corpo em 360º e que atrasa o tempo normal de jogo durante 15 segundos, o Shockwave – que disparando para o chão elimina todos os alvos presentes no ecrã, e para terminar o Rampage – que ao disparar para o ar torna a vossa pistola numa metralhadora e onde os tiros falhados não afectam o vosso multiplier.

O jogo apenas padece de uma longevidade curta e de um ligeiro facilitismo, embora siga a velha máxima do fácil de acabar, difícil de dominar. Todavia, a opção de jogar a dois rapidamente nos faz esquecer o problema da longevidade, pois quando se está numa festa, entre amigos, a jogar este jogo, ninguém dá pela eventual repetição de cenários, pois dependendo do parceiro, a experiência de jogo difere totalmente e é isso que torna o jogo tão interessante. Para os perfeccionistas, a batalha pelos highscores também pode adicionar uma maior longevidade ao jogo.

Autor: Jorge Fernandes Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário