X-Men

7,5
Longevidade : 7/10
Jogabilidade : 7/10
Gráficos : 8/10
Som : 8/10

Múltiplos X-Men com diferentes habilidades

Alguns problemas com os controlos e animações

Review 4×4

Review Principal

Ora os X-Men desde muito cedo que foram as comics da Marvel que mais interesse me despertaram. As personagens carismáticas como Wolverine, Gambit ou Beast aliadas a uma envolvente cada vez mais ficção científica foram sem dúvida grandes incentivos. A seguir às comics, séries de animação e/ou filmes, o mercado dos videojogos sempre foi algo com um potencial enorme para estas comics. Os X-Men estiveram presentes em vários jogos ao longo dos anos, sendo dos mais famosos aqueles presentes em arcades como, por exemplo, o X-Men Children of The Atom da Capcom, que acabou por levar à “moda” dos jogos de luta com crossovers como Marvel vs Capcom que retornaram à ribalta recentemente. Mas o jogo que trazemos cá nesta edição é nada mais nada menos que o X-Men da Mega Drive, lançado no ano de 1993.

A premissa do jogo é simples, Magneto, o arqui-inimigo da série, infectou o computador da sala de treino dos X-Men com um vírus. Os X-Men costumam usar essa sala para simulação de situações de combate de forma a treinarem, e o computador estando infectado acabou por tornar as simulações demasiadamente perigosas. Assim sendo, os X-Men afectados por esse ataque devem lutar para sair do ambiente virtual em que se encontram, acabando por descobrir que Magneto estava por detrás de tudo.

Podemos jogar com 4 diferentes X-Men: Wolverine, Cyclops, Gambit ou Nightcrawler, sendo que cada um possui diferentes ataques e habilidades que permitem progredir no jogo de formas diferentes. Para além dos ataques melee normais (Gambit usa o seu bastão, os restantes os seus punhos) cada X-Men possui poderes mutantes de que pode usufruir, embora com alguns custos. Para além de uma barra de energia, existe também uma outra barra precisamente para os poderes mutantes, que são específicos a cada X-Men. Cyclops usa o seu visor óptico, Wolverine as suas garras de Adamantium, estão a ver a ideia. O Nightcrawler, por exemplo, pode utilizar o poder de teletransporte podendo avançar paredes, o que acaba por tornar alguns níveis mais facilitados.

Mas X-Men tem outras coisas interessantes, pois o jogador pode alternar entre cada X-Man durante os níveis, sendo que cada nível coloca um limite diferente de substituições. Nalguns níveis podemos realizar até 3 substituições, noutros apenas uma, o que induz ao jogador alguma estratégia prévia, de forma a escolher os mutantes que melhor se adeqúem às situações. Para além do mais, existem alguns caracteres de suporte que podem ser também invocados: Storm, Rogue e Archangel, realizando ataques poderosos que praticamente destroem todos os inimigos no ecrã – acabando por ser bastante úteis em lutas contra bosses. O Iceman é outro das personagens de suporte, mas com uma funcionalidade diferente, na medida em que auxilia o jogador a alcançar áreas de difícil ou mesmo impossível acesso por vias normais.

Não queria terminar de falar na jogabilidade sem mencionar um pormenor curioso. A certo ponto do jogo, surge a mensagem que devemos reiniciar o computador para prosseguir. Ora em 1993 não havia Internet – quer dizer, não da forma como a conhecemos hoje – e a maioria dos jogadores empancava nessa parte pois por muito que se fizesse realmente não dava para prosseguir. O que o jogo pretendia era mesmo que se fizesse reset na própria Mega Drive, quem na altura iria adivinhar isto?

De resto, a nível técnico o jogo é bastante competente para os padrões de 1993. Os níveis são vastos e variados entre si, oferecendo um progresso com alguma não-linearidade. De qualquer das maneiras os controlos ainda são um pouco “travados”, e a certo ponto do jogo a dificuldade sobe bastante, sendo este o ponto mais negativo apontado pelos fãs e que eu concordo. A nível gráfico é um bom jogo, apresentando sprites bem detalhadas quer para os heróis, quer para os vilões que dão o ar de sua graça no jogo. Magneto, Sabretooth, Deathbird, Apocalypse e Juggernaut são alguns dos vilões, estando bem representados – excepto talvez os 2 últimos, que nas comics são bem mais colossais. As animações em si é que poderiam ser melhores, existindo por vezes alguns problemas de framerate que podem ser incomodativos. A banda sonora é agradável e bastante rockeira, mesmo como o chip de som da Mega Drive “gosta”.

Concluindo, este X-Men é uma entrada muito interessante na biblioteca da Mega Drive, tendo sido o primeiro sidescroller da série com qualidade, depois de algumas passagens infelizes pela NES. O jogo não é perfeito, a jogabilidade ainda apresenta alguns problemas, mas felizmente os mesmos foram atendidos na sequela X-Men 2: Clone Wars também para a máquina 16-Bit da Sega.

Visto por: Luis Teixeira

 

Se Cyclops, Gambit, Wolverine ou Nightcrawler se encontram entre os teus personagens favoritos deste universo, então este jogo é para ti. Se sempre achaste que deverias poder optar por entre várias técnicas de combate, então este jogo é para ti. Se achas que os jogos de agora são todos muito fáceis de acabar, então este jogo é para ti. Se adoras música rock em 16-Bit, então este jogo é para ti. No entanto, se quiseres jogar um bom jogo de plataformas, o melhor é optares pela sequela: X-Men 2: Clone Wars.

Pontuação: 6

 

Visto por: João Sousa

 

Como fã de longa data de banda desenhada, e mais especificamente dos X-Men, este era um jogo que não podia perder e que joguei logo na minha infância; mas as memórias sobre o jogo são agridoces. Por um lado, podia encarnar os meus personagens preferidos, por outro a jogabilidade não era tão boa como queria e nunca pude aceder ao último nível fazendo o soft reset na consola. Uma boa ideia, mas talvez rebuscada demais para a minha infância e para a era pré-Google. A sequela é muito melhor!

Pontuação: 7

 

Visto por: João Canelo

 

Apesar de apresentar várias personagens, cada uma com habilidades distintas, e gráficos apelativos, a primeira incursão dos X-Men fica aquém do esperado. Mesmo com as variações de jogabilidade e utilização dos poderes de cada um dos famosos mutantes, o título encontra-se repleto de más decisões a nível da jogabilidade, não conseguindo ser mais do que um medíocre jogo de plataformas na Mega Drive.

Pontuação: 8

 

 

Autor: Ivo Leitao Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário