Xenoblade Chronicles 3D

De volta a uma óptima viagem

banner

Fazer a review a este jogo, foi também uma boa forma de mexer com tempo na nova consola da Nintendo. Apesar de não existirem diferenças gigantes, a adição do c-stick é a novidade mais sonante. Em Xenoblade Chonicles 3D, este, é fundamental e torna os movimentos da câmara muito mais fluídos e fáceis de controlar. Vamos então falar deste excelente RPG, que já tinha mostrado ser um grande jogo na Wii, em 2011. Mas será que a passagem para uma consola portátil consegue manter a qualidade desta aventura? Sim, consegue, e não só consegue como surpreende pelo facto de estar lá tudo tal e qual como foi concebido para a consola original.

imagem1

A história começa com uma guerra entre os Hom, os humanos, e os Mechon, as máquinas (sim, os nomes nem sugeriam nada nem são abreviaturas autênticas) onde Dunban controla o poder da mítica Monado, uma espada com poderes grandiosos. A paz é conseguida durante um ano, altura em que os Mechons realizam mais uma investida. Desta vez, Dunban não está em condições de a controlar e eis que surge Shulk, o protagonista da história, que consegue controlar a Monado e ganha a habilidade de prever ataques inimigos. E a partir daqui começa a chamada, “grande aventura”.

imagem2

O que realmente gostei neste jogo foi sentir uma liberdade imensa enquanto explorava os cenários e desafiava todo o tipo de monstros que me apareciam à frente. As paisagens são extremamente diversas, bem como os vários inimigos, e seguramente, vamos ter a sensação que estamos mesmo dentro de um mundo virtual. Não são todos os jogos que conseguem passar esse sentimento aos jogadores. O combate está muito dinâmico que me fizeram lembrar Final Fantasy XII, o que é óptimo. É em tempo real mas requer um controlo exacto das skills a utilizar e do momento em que as usamos. A quantidade de missões e tarefas que temos para fazer é colossal. Em cada esquina há alguém a pedir-nos coisas, seja para entregar ou para encontrar. Podem contar com várias dezenas de horas, isto é um RPG à antiga. Existe uma Collectopedia que regista todas as entradas de novos itens encontrados. Quando conseguirem encontrar um exemplar de cada área, são recompensados. O sistema de level-up é o típico nipónico, em que acumulam experiência dos monstros e das quests. À medida que aumentam de nível vão ganhando novas habilidades e poderes novos.

imagem4

Para quem jogou o original, vai notar uma enorme diferença gráfica. As texturas são estranhas e às vezes fica estranho de olhar. Não deixa de ser um esforço bem conseguido por parte da equipa que desenvolveu o jogo, mas o resultado não foi excelente. A acrescentar a isto é o facto de não existirem novos conteúdos dentro do jogo.

imagem5

Pessoalmente, foi a primeira vez que o joguei. E ainda bem, pois não notei de forma drástica esta diferença gráfica. Simplesmente achei que era dos melhores RPGs que há para a 3DS. A questão que fica é até que ponto é que o público vai investir numa nova consola apenas para jogar este grande título. Outro aspecto que notei, foi a grande qualidade presente em todo o trabalho sonoro. Desde as músicas até as vozes dos personagens, todas elas encaixam lindamente. Não encontramos aquelas vozes tipicamente japoneses agudas e irritantes que fazem logo tirar o som à consola.

imagem7

No final, temos um dos melhores RPGs na 3DS. A quantidade de conteúdo, o gozo que dá explorar todas as localidades ou a própria história, são só algumas das razões para comprar este título. Para aqueles que ainda não têm uma 3DS, esta é uma boa altura para adquirirem o novo modelo e jogarem esta relíquia. É excelente ver que continuam a apostar em títulos japoneses numa altura em que cada vez se vê menos este tipos de jogos no mercado europeu. Que venham mais!

up
Veredicto
Um excelente port de um RPG fantástico. Pena a exclusividade ao novo modelo. 
Plataforma
3DS
Produtora
Monolith Soft
Autor: Goncalo Cardoso Pesquise todos os artigos por

Deixe aqui o seu comentário